Paola Kirst lança seu álbum de estreia pela Escápula Records

O primeiro álbum de Paola Kirst, natural de Rio Grande, no Rio Grande do Sul, intitulado “costuras que me bordam marcas na pele”, é a reunião de músicas compostas por ela e por amigos durante um ano e meio e trabalhadas incansavelmente em apresentações ao vivo com seus parceiros do Kiai Grupo.

O álbum é um trabalho entre amigos. Desde as letras escritas por Paola até as músicas criadas em conjunto com o pintor e poeta Carlos Medeiros (Inverno), o artista visual e rapper Thiago Madruga (Cais) e Thielle Pinho (Pão Com Mel). Além dessas, Charlie 04, composição de Juliano Guerra, e Abandonada, canção criada pelo violonista Neuro Júnior (que também faz participação especial neste trabalho), foram dadas a Paola, para que ela as desse voz.

Sobre a importância do trabalho coletivo em seu primeiro álbum, Paola diz: “Busco mostrar o quanto a minha criação não é feita sozinha: às vezes é texto de um, melodia de outro, somente o piano ou toda a banda, ou apenas voz, valorizando as criações coletivas e o meu amadurecimento nesse processo”.

O título escolhido para o álbum remete à frase final de um dos poemas de Paola e agrupa boa parte dos temas das músicas: o inverno e as lãs representando o aconchego do lar; a espera da chegada de uma criança na família em Olívia, com roupinhas de linho e bordados; as cicatrizes na alma de uma mulher que sofre violência em Charlie 04, o cotidiano de atravessamentos em excessos de imagens que ficam gravadas na retina em Abandonada.

Ela passeia por diversos momentos durante costuras que me bordam marcas na pele, desde duas poesias escritas e declamadas por ela, uma vinheta instrumental feita com música corporal, até uma música a capella e uma canção feita apenas com a voz, utilizando um loop station. A artista tem como grande influência a música africana, assim como o samba e o jazz, muito bem representado pelos músicos do Kiai Grupo como banda de apoio: Dionísio Souza no baixo, Marcelo Vaz no piano, e Lucas Fê na bateria.

A gravação do álbum foi feita ao vivo em Porto Alegre, RS, no Estúdio Pedra Redonda, de Wagner Lagemann, que produziu, mixou e masterizou o disco. Com figurinos de Maurício Rodrigues, o álbum tem projeto gráfico e fotos de Vitória Proença.

 



Designer, sociólogo de boteco, baixista de fim de semana, DJ ocasional, leitor ávido de Wikipédia e escritor de romances de gaveta. Manézinho de nascimento, criado em Porto Alegre e atualmente mora em São Paulo. Como todo bom crítico, já tocou em várias bandas que não deram em nada.


Underfloripa (2007-2019) Todos os Direitos Reservados. Site em Wordpress mantido por Sierra November. Feito com amor em Floripa e São Paulo.