Gustavo Telles & Os Escolhidos – Gustavo Telles & Os Escolhidos

Com uma carreira paralela com outra banda, o músico Gustavo Telles mal lançou um trabalho ao vivo nesse ano de 2017 “Gustavo Telles & Os Escolhidos Ao Vivo No Teatro São Pedro” e já vem com um novo trabalho de inéditas. O álbum cujo título é homônimo ao nome da…

Gustavo Telles & Os Escolhidos (Selo 180)

Selo 180 - 8.9

8.9

Gustavo Telles reuniu um time de músicos fenomenais e concebeu um dos melhores trabalhos do ano! Referências explícitas de blues, Tim Maia e rock. Precisa de mais motivos para escutar o quarto trabalho do jovem senhor?

User Rating: Be the first one !
9

Com uma carreira paralela com outra banda, o músico Gustavo Telles mal lançou um trabalho ao vivo nesse ano de 2017 “Gustavo Telles & Os Escolhidos Ao Vivo No Teatro São Pedro” e já vem com um novo trabalho de inéditas.

O álbum cujo título é homônimo ao nome da banda, evidencia o que já se ouvia pela imprensa sobre os outros trabalhos do artista e sua banda, talento, musicalidade direcionada e ótimas letras.

A mão pesada do blues está presente em algumas faixas como “Temporal”, uma faixa que poderia estar em inglês dentro da discografia dos Stones, ou mesmo cantada pelo saudoso Luiz Melodia. Uma canção com malandragem, pegada e o andamento característico do blues, só que de um jeito que soa como um encontro do gênero americano com um toque de samba. Não, não tem samba na canção, mas é que ao ouvir a mesma, faz todo sentido imaginar como seria a mesma em outro ritmo, visto que a letra remete a isso.

“Não, não sei, enfim” é quase uma ode a uma canção brega. Daqueles bregas rasgados, com uma letra de cortar os pulsos. Remete à bares esfumaçados e noites regadas a álcool e entorpecimento.

A qualidade das músicas só vai aumentando conforme o ouvinte vai entrando na viagem musical do álbum. Como não lembrar de Tim Maia encontrando sua fase racional ao ouvir “Deixe-me ir”?Lembra Motown, Sam Cooke e toques de brasilidade explícita. A letra? Simples e objetiva.

Ao resenhar um álbum, a vontade é de ouvir os outros para comparar. Mas se já há a comparação com ícones da música nacional e internacional, influências declaradas e a certeira colocação das notas e os pequenos e bem-vindos clichês musicais, porquê ouvir os trabalhos anteriores para poder comparar com o atual? Talvez só para termos a certeza que Gustavo e seus comparsas construíram mais uma obra linda e tocante!

Na verdade esse é o primeiro álbum que escuto do artista, apesar de já conhecer seu trabalho há anos. Talvez a preguiça tenha me impedido de procurar os álbuns, ou mesmo uma montanha de outras coisas para fazer, mas deixo aqui registrado o meu enorme arrependimento!
Eu devia ter ouvido antes!

Muitas exclamações fazem parte de tentar transformar um texto em uma hipérbole, mas nesse caso, digo de coração aberto que da minha parte, esse novo capítulo na vida musical e pessoal de Gustavo Telles já faz parte dos melhores trabalhos lançados esse ano!

Canções como: “Sempre mais”, “E de tudo que o que já vivi”, “Outra Vez” e “Dormindo no Sofá”, são canções que evidenciam não somente uma obra coesa e bem construída, mas músicos dando o melhor de si e mais ainda, que seguramente as escolhas do Selo 180 se baseiam acima de qualquer coisa, na qualidade dos artistas!

Vida longa a Gustavo Telles & Os Escolhidos!



Passou dos 30 e poucos anos faz tempo, resenhista (aka crítico musical), editor e amante das boas coisas da vida: música, cinema, literatura, teatro e o que mais envolver artes! Já escreveu para jornais, revista, sites e hoje batalha nesse humilde espaço. Poeta nas horas vagas, já percorreu o Brasil, mas hoje vive em São José, bem ao lado de Florianópolis.


Underfloripa (2007-2019) Todos os Direitos Reservados. Site em Wordpress mantido por Sierra November. Feito com amor em Floripa e São Paulo.