Claviceps Purpurea – Escadas do Céu

Escadas do Céu - Independente

Independente - 7

7

Brusque continua produzindo boas bandas e belos álbuns. Com alguns ajustes, o grupo volta a rotina de produzir álbuns estupendos!

User Rating: Be the first one !

A banda de Brusque segue sua carreira com seu quarto álbum,“Escadas do Céu”, e entrega um som já bem construído e definido,sabendo exatamente o que significa o gênero do rock progressivo. Do início ao fim da obra, a experimentação, a melancolia pungente e as viagens nos ritmos, timbres e solos demonstram a grandeza de um grupo que sabe o que faz.

O álbum abre com “Delta”, uma boa escolha,já situando o ouvinte numa frequência mais contemplativa, mais viajada.Guitarra bem distorcida, riff impactante, voz arrastada marcam a faixa. Ponto pro arranjo das vozes que enriquecem o som e para mudança de ritmo que deu mais dinâmica pra música.

Seguimos com “Modorra” e seu ritmo forte bem marcado. A banda foca em riffs bem construídos, mas o timbre da segunda guitarra poderia ser mais encorpado e poderia aumentar o volume dela na mixagem. No entanto, é bom perceber que a voz do cantor combina perfeitamente com os estilos das músicas e que,mais uma vez, o arranjo das vozes é uma beleza à parte.

A faixa que dá nome ao álbum tem um ritmo maravilhoso, bem swingado. “Escadas do Céu” tem a beleza da flauta transversa como um detalhe para enriquecer o arranjo, mas é uma pena que a mudança de ritmo da música não tenha trabalhado tão bem com este instrumento;poderiam também aumentar o volume da flauta durante a faixa. Depois temos a bela “O Peso da Espada” com sua claríssima inspiração no Pink Floyd do álbum “Dark Side of The Moon”. Efeitos maravilhosos na guitarra e no teclado numa linda introdução e um solo belo, pungente e com um dueto inesperado deixaram a música numa riqueza de detalhes que a banda britânica aprovaria com certeza.

Na faixa “A Voz”, novamente o arranjo das vozes surpreende. E seguimos para “Caem as Grades” com uma harmonia de acordes de tirar o chapéu e seu ritmo gostoso de ouvir, uma das melhores faixas do álbum.

Seguimos para uma agressiva “Noites Azuis” com sua pegada mais grunge e, na mesma vibe, partimos para “Qualquer Lugar” com muita inspiração em Pearl Jam e no estilo de canto de Eddie Vedder.

“O Inimigo” é uma faixa que poderia ser colocada em outra parte do álbum e fechamos com “Cemitérios e Filmes de Terror” e suas guitarra e voz fantasmagóricas e melancólicas. Bela construção do arranjo de inserir cada instrumento de uma vez para dar mais profundidade e concluir com um solo a là David Gilmour.

Claviceps Purpurea definitivamente sabe o que é fazer um bom rock progressivo. Experimentam as variadas possibilidades de ritmos e nas letras poéticas, filosóficas e misteriosas. Conseguem preencher suas músicas com arranjos de vozes oitavadas e backing vocals.

No entanto, é preciso arranjar as faixas com mais esmero, não buscar a previsibilidade da mudança de ritmos, entrosar os instrumentos para ter um som mais coeso e mixar os instrumentos e a voz de forma que todos tenham chance de brilhar.



Criada por família musical e artística, vive nutrindo sua essência com arte. Desde os 7 anos, é inspirada por Beatles, Disney e The Sound of Music. Listomaníaca, sonhadora e fascinada por organização, decoração e estilo;acredita que um bom papo com companhias queridas e culinária italiana à mesa é uma boa receita pra alegria plena. Manezinha apaixonada pelo frio, atualmente mora em Curitiba.


Underfloripa (2007-2019) Todos os Direitos Reservados. Site em Wordpress mantido por Sierra November. Feito com amor em Floripa e São Paulo.